» Laranja Mecânica

(Nota: 9,5)
Título Original: A Clockwork Orange
Gênero: Ficção Científica
Diretor(es): Stanley Kubrick
Roteiristas: Stanley Kubrick, baseado em livro de Anthony Burgess
Ano de Lançamento: 1971.
Elenco: Malcolm McDowell, Patrick Magee, Michael Bates, Warren Clarke, John Clive.
Duração: 138 minutos.
Trailer: Clique Aqui!

Acho que a música clássica de Ludwig van Beethoven, em especial sua 9ª Sinfonia, e a música cantada em Cantando na Chuva por Gene Kelly com certeza não serão as mesmas para mim. Não farão o mesmo sentido ao ouvi-las e olhe que gosto, particularmente, da segunda. Isso, inclusive, me fez pensar se teria alguma semelhança com o dito-cujo Alex, protagonista de um filme estranhamente interessante e excelente. Eu precisava ver Laranja Mecânica, sabia de sua genialidade e de seu caráter crítico e o fato de ter se tornado um clássico ainda alimentava mais minha vontade, mas não foi no mesmo instante em que comprei o DVD que a vontade veio.

Alex (Malcolm McDowell – Halloween) é um jovem completamente destruidor e violento. Usa do artifício de líder junto com seus três amigos e passa a fazer badernas nas ruas, espancando velhinhos, estuprando mulheres, roubando casas entre outras coisas bastante semelhantes. Certa vez, junto com os amigos, resolve invadir a casa de uma mulher para roubar-lhe jóias e, no entanto ele a mata sem qualquer piedade, mesmo alegando ter sido acidental. Seus amigos se safam, mas ele cai nas mãos da polícia e é condenado a 14 anos de prisão. No que, supostamente, deveria ser uma prisão de 14 anos, Alex consegue entrar num programa governamental que o “trataria” durante quinze dias e posteriormente a isso ele seria uma pessoa “curada” sem quaisquer chances de voltar à cadeia.

Achei muito interessante o roteiro deste filme que nos mostra um amadurecimento com o passar do tempo que torna o filme cada vez mais atraente. Pra surpresa de muitos, eu nunca tive a oportunidade de ver um filme sequer do tão vangloriado Stanley Kubrick (O Iluminado) e essa foi uma boa oportunidade para enxergar o porquê de tanta exaltação aos seus trabalhos, pelo visto ele merece. Um fato que achei muito importante e que não sei se outros pararam para perceber é a forma como é trabalhada a Fotografia do filme que nos empresta a mesma angulação em momentos diferentes da vida de Alex.

A presença de longos corredores é uma constante no filme e a partir disso que nos permite avaliar qual o momento da vida do personagem. Num primeiro andamento, é a cena inicial do filme em que Alex, junto com seus amigos drugs, encontra-se em uma sala de bar com um enorme corredor em que as modelos nuas e em posições de conotação sexual estão espalhadas pelo corredor longo. Isso nos mostra um personagem cheio de si e ciente de pode fazer o que quiser e bem entender com seus amigos, roubar e estuprar mulheres cantando Singing in The Rain, dono total do poder.

Em um segundo momento, já mais para a metade do filme nota-se que ainda há a filmagem de um corredor, no entanto, o que aparece agora é o longo corredor da prisão em que Alex se encontra após ter sido condenado. Nesse período, nós percebemos que agora ele foi condenado pelo Estado e terá que pagar por isso. Não há mais o Alex cheio de si, agora ele é introspectivo e faz de tudo para que possa sair o mais rápido possível da cadeia, por meio legais, somente.

Já no terceiro momento, o corredor é de um grande hospital e Alex encontra-se internado com sérios e graves ferimentos devido a uma tentativa de suicídio e agora encontramos um protagonista humilhado por ter sido enxotado pela sociedade mesmo depois do governo ter dito que ele estava curado, mas as pessoas a quem fez no passado ainda permaneciam feridas.

A trilha sonora de Laranja Mecânica é marcante e nos mostra o quanto a música faz parte de nossas vidas e o quanto ela pode nos fazer lembrar sensações das quais gostamos mas também das quais repudiamos. A atuação de Malcom nos ajuda a compreender o que Anthony Burgess quer nos passar através de livro homônimo. É uma pena que pouco tenha sido reconhecido pelos principais prêmios, mas isso não interessa, ele foi imortalizado pelos cinéfilos, e isso basta.

23 Respostas

  1. Um dos filmes que não vi ainda, mas obrigatório na minha lista.
    =)

  2. Já falei sobre o Kubrick hoje lá no post do Louis.
    Ele é um gênio do cinema, sem nenhuma dúvida.
    Neste filme ele mostra isso mais ainda.
    O uso das lentes para provocar sensações (aquela cena dos quatro caminhando até que começa a briga no lago, por exemplo), a trilha sonora totalmente adequada.
    Uma obra-prima, sem dúvida nenhuma!

    Beijocas

  3. Que beleza. Você achou o caminho da qualidade, Robson. Ótima escolha.

    De intrometido, deixo-lhe outra dica: Assim Caminha a Humanidade, derradeiro filme de James Dean.

    Abraço!

  4. Anderson,

    Entendo, completamente, demorei bastante para conferir… mas nunca é tarde.

    Cecilia,

    Realmente tem provocações claras e que dão mais qualidade ainda ao filme.

    Pedro,

    Não é intrometido, quando achar que deve, faça suas sugestões, gosto.

    Abraços

  5. Sem dúvida é um grande clássico e está entre meus favoritos, mas confesso que não lembro tantos detalhes da trama, uma vez que o vi há muito tempo. Já está na hora de uma revisão. Abs!

  6. Amigo, quando colocamos a ideia no papel sobre esse filme já pode se dizer que conseguimos o impossivel. Indescritivel, obrigatório … SÓ UM GOD PODE FAZER ISSO … e se chama Stanley Kubrick …

    abraços

  7. Para mim, “Laranja Mecânica” é uma obra-prima. Um filme atemporal. E cuja história ainda tem ressonância nos dias de hoje. E, como você bem disse, “Singin’ in the Rain” nunca será a mesma música para nós depois de vermos este longa. 🙂

  8. Tudo bem Robson, aqui é o Evandro do extinto blog Cinelândia, que era co-escrito pelo Paulo. Estou retornando devagar ao meio blogueiro. Estou com um blog solo agora que fala de cinema, entre outras coisas. É o Conversa de Morcego(http://conversademorcego.zip.net) Se quiser me visitar, ficarei honrado.
    Quanto ao filme, costumo resumir a minha opinião sobre Laranja Mecânica com a seguinte frase: FUNCIONA MUITO MAIS COMO TESE SOCIOLÓGICA DO QUE COMO ESPETÁCULO CINEMATOGRÁFICO!
    De qualquer maneira, um abraço!

  9. Gostou do filme?
    Leia o livro! 😀

  10. Que bom que viu o filme, cara… É um clássico obrigatório, não poderia concordar mais com o que escreveu, parabéns.,..

  11. Robson, sou obscecado por esse filme, viciado, sabe? Quando ouço “Singing in The Rain” vem logo a imagem de Alex na mente e não Genny Kelly. Kubrick é Kubrick. E não perca tempo, vá às locadoras e pegue todos os filmes de Kubrick, hehehe. Excelente texto, Robson. O meu ainda não está pronto… Abraço!

  12. ASSIM COMO VOCÊ, AINDA NÃO EMBARQUEI NAS OBRAS-PRIMAS DE KUBRICK E ESSE FILME PODE SER O PRIMEIRO PASSO PARA QUE EU POSSA SER UM NOVO FÃ DESSE CARA.

    ABRAÇOS

  13. Eu gosto demais de “Laranja Mecânica”, menos da última cena do filme. E de fato, Robson, iniciou Kubrick em ótima forma. Dele só detesto “2001” 😛 Não deixe de ver também “O Iluminado”, “Lolita” e “Nascido Para Matar”, os melhores dele.

  14. Olha que bacana: os meus avós viram o filme em Paris, no ano de lançamento – quando era proibido aqui no Brasil! Minha avó conta que ela saiu no meio da sessão, aviltada com tanta violência. E na época de faculdade, eu tive um professor que fez a primeira crítica de Laranja mecânica quando o filme finalmente foi liberado por aqui.

    Essa película tem história!

    Abs!

  15. Clássica obra-prima, ainda atual, tanto estética quanto tematicamente. Notável é a diferença no terceiro ato, entre livro e filme.

    Cumps.

  16. Junto com Os Bons Companheiros e O Poderoso Chefão sãos os melhores filmes que já assisti na minha vida. Qualquer palavra é inútil para descrever a proeza desta obra. t

    Tow tentando retornar à ativa depois de um tempo parado.

  17. Tá vivo? Sumido pq? 😀

  18. Muito bem! Mas a nota deveria ser 10! Um dos filmes mais sensacionais de Kubrick, um dos poucos gênios do cinema. Atemporal, eterno…

    Abs!

  19. Ué, Robson, cadê você? Sumiu… Bem, deixei para você um selo lá n’O Cara da Locadora, está no post sobre o Blade Runner, depois dá uma passada para ver…

  20. O Kubrick ainda não chegou à minha DVDteca mas eu já cheguei a ele há uns anos.

    A LARANJA MECÂNICA é espectacular!

    O FIGHT CLUB de há uns anos atrás.

    Cumps.

    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

  21. Nunca assisti. Tenho que ver qualquer hora dessas.
    =)

  22. Obra-prima absoluta. Subversivo, genial e brilhante! O melhor do Kubrick.

    Nota 10

    Ciao!

  23. […] “Acho que a música clássica de Ludwig van Beethoven, em especial sua 9ª Sinfonia, e a música cantada em Cantando na Chuva por Gene Kelly com certeza não serão as mesmas”. Robson Saldanha, PORTAL CINE. […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: