» Crash – No Limite

(Nota: 6,0)
Título Original: Crash
Gênero: Drama
Diretor(es): Paul Haggis
Roteiristas: Paul Haggis e Robert Moresco
Ano de Lançamento: 2004.
Elenco: Karina Arroyave, Dato Bakhtadze, Sandra Bullock, Don Cheadle, Art Chudabala, Sean Cory, Tony Danza, Keith David, Loretta Devine, Matt Dillon, Michael Peña, Jennifer Esposito.
Duração: 113 minutos.

Acho que todo cinéfilo que se preze deve ter um pé atrás com as premiações de cinema. Umas são mais exigentes, outras são mais mercenárias, outras mais pops, outras mais cult. O fato é que é impossível que um agrade por completo a quem curte o cinema em cada detalhe. O Oscar por ser a premiação mais conhecida do cinema sempre é o que faz o filme ganhar ou não mais visibilidade. Basta que haja indicações para que eles já sejam melhores recebidos. No entanto nem tudo são flores e nem todas as premiações são justas. Só pude conferir Crash agora e noto que ainda não consegui encontrar uma justificativa plausível para este filme ter ganhado o Oscar de Melhor Filme.

Neste longa não existe uma história central. Basicamente ele trata sobre o preconceito, seja ele qual for. Preconceito contras os negros, preconceito contra latinos, preconceito contra brancos também. No entanto, está focadamente mais direcionado aos negros. É sempre bom relembrar o quanto o tema preconceito é delicado ainda que tenham inúmeros filmes que tratam sobre tal tema de maneira incisiva. Neste, por sua vez, são várias histórias que retratam, à sua maneira, o tema central. Com vários personagens em condições financeiras diferentes e condições sociais e psicológicas também diferentes.

Filmes que, procuram explorar vários personagens com vidas diferentes, mas em situações semelhantes, tem que saber exatamente onde está pisando para que não ocorram deslizes capazes de derrubarem o roteiro de maneira simplória. Dois bons exemplos de filmes que, a meu ver, funcionaram bem, sobre esse molde, são Simplesmente Amor e Closer – Perto Demais. Mesmo que o primeiro mostre-se com mais histórias que o segundo e este trate de ‘quadrado amoroso’. Enfim, foram bem traçados e houve uma ‘conexão’ mínima mais interessante. Em Crash têm as ditas várias histórias, no entanto fica o questionamento se elas foram bem trabalhadas a ponto de nos deixar satisfeito com o final.

Não creio muito nisso e acho que houve a supervalorização de uns quesitos e outros foram deixados de lado. Creio que a direção de Paul Haggis (No Vale das Sombras) deixou a desejar em vários quesitos. Já que para tratar de tal temática, como já dito, não houve uma conexão bem feita que justificasse o real sentido para tantas histórias aleatórias. Sei que muitos devem dizer que o propósito de aleatoriedade é para mostrar que isso acontece em qualquer camada e a todo momento, todavia ainda assim isso deve ser mostrado de maneira mais clara. A Trilha Sonora é bem interessante, porém é bem notório que ela vem para tapar os buracos que o roteiro tem e isso se torna um tanto questionável. Contudo, ainda assim existem uns pontos são bem trabalhados.

A película explora de maneira curiosa e interessante o questionamento sobre certos acontecimentos declarando-os, implicitamente, ser um acaso ou coisa do destino. Também vem à tona a forte dúvida para um dos personagens se ele acredita que se deve fazer a verdadeira justiça, o que é correto, ou então este deve proteger sua raça de maneira feroz. O arrependimento é outro sentimento que está totalmente presente, mais para o término do filme. No entanto, ainda achei-o pífio, a ponto de jamais considerá-lo digno de concorrer ao Oscar, quem dirá de ganhar o Oscar. Ele, definitivamente, foi superestimado.

Anúncios

10 Respostas

  1. Eu gosto, apesar de realmente não merecer tudo o que ganhou ou um elogio muito exacerbado, como uma Obra-prima, algo que o filme passa um pouco longe de ser, mas ainda assim é de se assistir sem muitos problemas.

    Abraços!

  2. Vi esse filme em 2006 e, ao seu término, fiquei buscando explicações para todos os prêmios e badalações que ele ganhou. Apenas Thandie Newton me agradou.

  3. Quando vi este filme pela primeira vez, eu fui tão emocionalmente abalado que deixei de reconhecer qualquer defeito. Conforme fui revisitando-o, erros foram surgindo, mas nenhum muito particular. Eu acho “Crash” um belo, bruto e sincero filme. Não só emocionalmente arrasador, mas original e soberbo em seu retrato.

    Nota 9.5 [*****]

  4. Um grande filme. Muito forte emocionalmente. Sempre de sentimentos à flor da pele. Reunir a valia daquele elenco foi um luxo.

    9/10.

    Abraço.

  5. Só por ter aquela cena da menininha protegendo o pai do tiro (sabe?!), cara, chorei MUITO. É certo que, também, que tem alguns erros no roteiro, mas eu particularmente gosto muito, inclusive Bullock aparece em um personagem mais dramático. E acho – sim – que ele mereceu ser indicado no Oscar – rsrs.

  6. Independente do fato de ele ser manipulador, de ele querer mesmo mexer com nossas emoções, “Crash – No Limite” é um filme do qual gosto MUITO! Inclusive, sou do time que acha que ele mereceu o Oscar de Melhor Filme. A cena da capa mágica virou clássico já!!

  7. É por essas e outras que passo a gostar cada vez menos do competitivo Oscar, que cria animosidades entre filmes e entre fãs de cinema. Também desprezei CRASH quando o vi, não só por ter ganhado o tal Oscar de filmes melhores, mas por se revelar condescendente e forçado. Tinha uma opinião parecida com a sua, mas hoje, depois de um bom tempo, passei a apreciar o filme – que, ainda assim, tem seus poréns.

  8. Não tirando os méritos do filme, é bom e só. Mas preciso de uma boa revisão para mudar minha opinião sobre ele ser só um bom filme.

    Beijos! 😉

  9. Sério? Eu tava crente que todo mundo gostava mas pelo jeito to muito errado, bem, eu ADOREI, rs…

  10. Considero CRASH um ótimo filme. É lógico que tem seus defeitos, que foi superestimado por alguns e de ser questionável se mereceu vencer o Oscar como melhor filme (acho válida sua indicação). Mas acho que assim como há os que recebem melhor um filme por ter sido indicado ou vencido o Oscar, também há os que torcem o nariz quando vão visualizar um filme badalado, com indicações etc. Não digo que é o seu caso, mas se o filme não tivesse sido nem indicado, será que encontraríamos tantos erros?? Pergunto, por que eu mesmo já vi filmes com um pé atrás, por estar sendo tão badalado.

    Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: