» Aconteceu em Woodstock

(Nota: 7,0)
Título Original: Taking Woodstock
Gênero: Drama
Diretor(es): Ang Lee
Roteiristas: James Schamus, baseado em livro de Elliot Tiber e Tom Monte.
Ano de Lançamento: 2009.
Elenco: James Schamus, Elliot Tiber, Tom Monte
Elenco: Henry Goodman, Edward Hibbert, Imelda Staunton, Demetri Martin, Emile Hirsch, Paul Dano, Kelli Garner, Clark Middleton, Bette Henritze.
Duração: 110 minutos.

Uma das coisas que mais me fazem querer sempre manter o blog ativo mesmo em momentos difíceis nos quais filmes são meu último item da lista é poder interagir com todos que visitam assim como também poder visitar os blogs dos colegas e conhecer filmes que, talvez, não tivesse contato se não fosse por meios virtuais. Apesar de ser um filme de um conhecido diretor, sem sombra de dúvidas ele passaria despercebido por mim por não ter estreado no cinema daqui, para variar. Contudo, ao visitar blogs amigos percebi que todos estavam conferindo e tive que pedir ajuda a outros recursos para não ficar ‘por fora’.

1969. Movimento Hippie em plena ascensão nos Estados Unidos e seus músicos prediletos também, além dos roqueiros antigos. Elliot Tiber (Demetri Martin) é um jovem que abandona seus sonhos e trabalhos em Nova York e volta para sua cidade natal para investir no Hotel que é de propriedade de seus pais. Na cidade vizinha, um enorme evento de música teve seu funcionamento prévio cancelado pela prefeitura e estavam a procura de um novo lugar. Ele, por meio da Câmara de Lojistas, oferece a cidade aos organizadores do festival de Woodstock e passa a lucrar com a propriedade de seus pais.

Como todos podem notar não é uma grande história. Ainda que se trate de um evento tão magnânimo como foi o festival de Woodstock, mesmo assim não mostra muita funcionalidade nem propósito claro a cerca do que vem apresentar. Algumas poucas coisas chamam a atenção positivamente para o filme como o figurino que está super apropriado para a época, chama bastante a atenção. Emile Hirsh (Na Natureza Selvagem) entra na história como aquele louco que tem certos momentos de sanidade e vice-versa. Isso já está um pouco desgastado, entretanto ainda funciona com ele, que apesar de está se mostrando grande intérprete, não consegue ser nada mais que bom nesta fita.

Em contraposição aos muitos pontos negativos, temos uma excelente atuação de Imelda Staunton (Escritores da Liberdade) como mãe de Elliot, uma judia russa que fugiu da Europa nazista e que tem enormes traumas. A montagem poderia ter sido muito superior se não fosse a intenção de mostrar várias cenas ao mesmo tempo, o que termina por confundir o espectador.  A abordagem é até original porém creio que o roteiro não teve consistência suficiente para poder tratar do tema com propriedade e tudo cai na mesmice, com um final sem nada a acrescentar. É um filme bem irregular em diversos aspectos, a meu ver.

Anúncios

11 Respostas

  1. Para mim, “Taking Woodstock” é um dos grandes trabalhos do último ano, e sem dúvida isto se vale pela excelente direção de Ang Lee, por seu elenco competente e pelo roteiro firme e evocativo. Eu aceitei completamente a proposta da película, e identificando bastante com os ideais daqueles jovens e com os personagens da trama.

  2. Ang Lee mais uma vez se supera, até o momento O MELHOR FILME DO ANO!

  3. Eu também gostei mais que você. Acho que a pessoa que vai pensando em vê a ‘história’ de Woodstock, com a remontagem dos show e tal vai se decepcionar, mas seguir a história dos preparativos malucos da pequena cidadezinha foi ótimo. Imelda realmente ótima e destaque em toda a trama, assim como -muito bem lembrado- o figurino espetacular..

  4. A Imelda Staunton foi mesmo muito elogiada por esse filme. Eu quero ver esta obra, por causa da direção do Ang Lee, e porque essa época de Woodstock é um tempo que eu admiro e adoraria poder ter vivido.

  5. Não tenho interesse algum por esse filme. Mas o que desperta minha curiosidade é a interpretação da Imelda Stauton – uma grande atriz!

  6. Weiner,

    Talvez o problema esteja comigo então. Porque não consegui ver nada demais nesse filme. Muito pelo contrário, acabei achando que ele foi feito sem algo firme a se mostrar, sem muitos propósitos. Mas na verdade acho que não me dou bem com Ang Lee mesmo.

    Jack,

    Definitivamente discordo completamente de ti.

    Luis,

    Pra mim um dos poucos pontos altos do filme centra-se no figurino que é realmente fascinante. Mas achei a montagem, a direção e o roteiro completamente falhos.

    Kamila,

    Se for ver por Imelda vale com certeza a pena. Porém se for pelo festival em si, pode se decepcionar bastante.

    Matheus,

    Vale muito a pena por ela, que está se mostrando cada vez melhor e está fantástica neste filme. Mas realmente ele é bem fraco. Não me dou bem com os filmes de Ang Lee.

    Abraços!

  7. Realmente não parece ter tido o êxito que todos esperavam. Mas ainda tenho certas expectativas…

  8. Acho que curti o filme um pouco mais do que você… Ang Lee dificilmente me desaponta!

    Abraços.

  9. Wally,

    Se você curte a maioria dos filmes de Lee não vejo motivos para não gostar desse… mas pra mim ele é só mais um… fraquinho fraquinho.

    Bruno,

    Pelo visto todos curtiram mais do que e Lee sempre desaponta pra mim. Não é meu tipo de cinema preferido.

    Abraços!

  10. O filme foi vendido como comédia e é raro ver Ang lee fazendo filmes do gênero. Já por isso, deve valer a conferida, apesar de parecer não contar muito sobre o festival de Woodstock.

    Beijos! 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: