» O Bem Amado

(Nota: 7,5)
Título Original: O Bem Amado
Gênero: Comédia
Diretor(es): Guell Arraes
Roteiristas: Cláudio Paiva e Guel Arraes, baseado na obra de Dias Gomes.
Ano de Lançamento: 2010.
Elenco: Matheus Nachtergaele, Andréa Beltrão, José Wilker, Caio Blat, Bruno Garcia, Maria Flor, Marco Nanini, Tonico Pereira, Zezé Polessa, Drica Moraes.
Duração: 107 minutos.

E continua a história da refilmagem. Sendo que essa é um pouco diferente já que por se tratar de Brasil, é uma questão óbvia que a refilmagem venha, na maioria das vezes, de uma novela. Isso não é a primeira vez que acontece e com certeza não será a última. O remake em questão é de uma novela que fez muito sucesso em seu tempo e foi escrita por Dias Gomes, com uma história que retrata o interior de um estado nordestino, no qual sua figura principal é um prefeito demagogo e corrupto.

Morre o prefeito e é preciso enterrá-lo em Santana, cidade vizinha a Sucupira, por que no próprio município não há um cemitério. Logo após isso, ocorrem as eleições e vence o político mais demagogo da cidade, Odorico Paraguaçú (Marco Nanini – Romance) que derrota o jornalista Vladimir (Tonico Pereira). Ao redor deste político estão Doroteia (Zezé Polessa), Dulcineia (Andréa Beltrão – Romance) e Judiceia (Drica Moraes), as chamadas Irmãs Cajazeiras. A promessa central de Odorico é construir o cemitério municipal, e ele consegue fazê-lo, mesmo que para isso tenha desviado verbas destinadas para outros fins, porém ele encontra um grave problema: não tem defunto para enterrar.

Como podem ver a história se dá toda em torno do dito ‘bem amado’. O homem que consegue fazer o povo acreditar em suas ladainhas e que agora sofre com a falta de inauguração do cemitério simplesmente porque não há mortes em sua cidade, fazendo-o inclusive a invejar a violência do Rio de Janeiro. Esse longa é uma comédia com tema nordestino e que de uma forma ou outra tenta imitar a comédia de O Auto da Compadecida, o resultado não é o mesmo, mas consegue atingir seu objetivo e se mostra bastante hilária.

Guel Arraes não conseguiu a mesma proeza que teve em seu último filme (Romance), no entanto, dentro da medida do possível atingiu o objetivo que essa película pretendia e nos entregou uma história bem interessante. O ponto do alto do filme fica por conta de Nanini que substituiu com muito talento o lugar de Paulo Gracindo assim como Drica Moraes que interpretou uma das irmãs Cajazeiras, as quais não podiam ser melhores representadas, vale salientar. Contudo, o que pra mim não ajudou muito no filme na hora da nota final foi o tempo que se mostrou como diria Odorico, ‘muitamente’ e ‘deverasmente’ longo, tornando-se um pouco cansativo.

Anúncios

11 Respostas

  1. Eu odiei o que o Guel fez com as Irmãs Cajazeiras. Descaracterizaram totalmente as personagens! No mais, o que mais me incomodou neste filme foi o uso de cores berrantes. O filme já tem um tom exagerado e essas cores deixaram tudo mais over ainda… Mas, é fato que diverte a gente, até porque Odorico Paraguaçú é uma verdadeira figura.

  2. Foi a crítica mais positiva que já vi até agora, o que me despertou um pouco o interesse por vê-lo. De qualquer forma, mesmo interpretado pelo talento de Nanini, é complicado imaginar um Odorico Paraguaçu que não seja Paulo Gracindo.

  3. Não parece ser um grande filme, mas como geralmente gosto dos projetos do Guel Arraes devo conferir em breve.

  4. Eu vi alguns episódios da novela. Acredite! E o texto é sensacional, assim como Paulo Gracindo. Por isso ainda não tive coragem de ver o filme, mas Guel Arraes é o cara da TV PIRATA, então ainda darei uma chance a ele. Abs!

  5. Eu também tive dificultade de assimilar bem a história por causa do exagero muitas vezes utilizado sem necessidade. No mais, também gostei do Nanini, mas talvez por não conhecer o trabalho Paulo.

  6. Esse filme não desperta a minha curiosidade de forma alguma por parecer tudo tão global,não curto.

  7. Nem me apetece, mas conferi mesmo assim e o filme, pra mim, foi amplamente bobo e fraco. Tudo exagerado, over, caricato ao extremo e atuações que me davam vergonha alheia…uma pena, poderiam ter feito um filme mais à altura da obra original…

    abraço

  8. O trailer desse filme é tão exagerado e caricato que me espantou… “O Bem Amado” é um filme que não quero assistir.

  9. Este vou esperar chegar em DVD, mesmo tendo gostado muito do filme anterior do diretor – a história deste simplesmente não me fisgou.

  10. I am a frog. Do you like frogs? We could jump together.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: