» O Visitante

(Nota: 8,5)
Título Original: The Visitir
Gênero: Drama
Diretor(es): Thomas McCarthy
Roteiristas: Thomas McCarthy
Ano de Lançamento: 2007.
Elenco: Richard Jenkins, Haaz Sleiman, Danai Gurira, Hiam Abbass, Marian Seldes, Maggie Moore, Michael Cumpsty, Bill McHenry, Richard Kind, Tzahi Moskovitz, Amir Arison, Neal Lerner.
Duração: 103 minutos.

Ultimamente tem certos filmes que vem me agradando mais do que outros por um pequeno fator que, sendo besteira ou não pra vocês, faz sentir mais ainda o que se passa em tela. Às vezes a ausência de músicas e a simples sonoplastia de uma porta se abrindo, do andar de uma pessoa estranha ou da abertura de gaveta conseguem me deixar mais envolvido com movimento do personagem, seja ele qual for, mocinho ou bandido. Vejo como se estivesse lá, no mesmo cômodo, ao lado dele vendo tudo se passar não só como um mero observador. E pude sentir um pouco disso neste longa.

Quando Walter Vale (Richard Jenkins – O Corajoso Ratinho Despereaux) nos é apresentado, logo observamos que sua vida se resume somente a dar aula em uma universidade, é um homem sozinho sem muita expectativa de vida, talvez por sua idade, 62 anos. Certo dia precisa viajar, obrigado pela universidade, deve ir a Nova York para uma conferência. Por ter um apartamento na cidade, decide ficar no recinto já que há meses não vai ao local. No entanto, ao chegar percebe que sua casa está ocupada por um casal de imigrantes ilegais Tarek (Haaz Sleiman) e Zainab (Danai Jekesai).

A história é bem interessante, trata de diversos assuntos em um só. Imigração ilegal, solidão, família, prisão e tudo mais. Isso porque a história não se baseia só no que tem na sinopse, vai além porque Walter decide mandá-los sair, porém nota que eles não têm pra onde ir e assim acha melhor sublocar o apartamento, pelo menos até eles conseguirem um lugar pra ficar, no entanto o relacionamento vai aumentando e um bom laço de amizade vai crescendo. A fotografia do filme se mostrou bem responsável pelos atos e pensamentos de seu protagonista e ela nos faz supor o que ele permite ou não que se tenha como atitude para com ele.

Com a enorme musicalidade que vive Tarek, é uma questão de tempo para que Walter passe a reintroduzir a música em sua vida através do instrumento que aquele toca. Quando é cometida uma injustiça na vida de Tarek, somos nós que sentimos ter sido injustiçados, tamanha é a competência da direção e roteiro assinados por Thomas McCarthy (2012), visto que o personagem consegue cativar de forma bastante particular. Sua prisão por algo que não fez, faz com que sintamos a mesma tristeza que sua namorada, Walter e também sua mãe sentem ao vê-lo ‘engaiolado’. É interessante que o termo ‘visitante’ se encaixa em três sentidos: Walter sendo um ‘visitante’ em seu próprio apartamento, Tarek e sua namorada sendo ‘visitantes’ nos EUA (mesmo não tão bem vindos) e por fim o protagonista sendo ‘visitante’ na cadeia. É um filme inteligente e que merece sim ser visto.

Anúncios

9 Respostas

  1. Coisa linda! Amo O Visitante. Um dos melhores filmes de seu ano.
    E como pode esquecer de mencionar a trilha, rapaz?! Fundamental para o resultado do filme.

    []s!

  2. É um bom filme, mas é claramente engrandecido pelas excelentes performances dos actores!

  3. ainda não vi, apenas conheço de ‘nome’, mas depois da sua ótima crítica é impossível não se entusiasmar!!!

    …abs.

  4. Pense num pequeno filme com uma mensagem bem legal. Adorei a performance do Richard Jenkins!

  5. Não consegui terminar de ver esse filme, ele é lento demais!

  6. “O Visitante” faz a linha grata surpresa. Não por ser completamente uma surpresa – a indicação ao Oscar de Jenkins já demonstrava elementos que atrairiam espectadores, mas os detalhes são impagáveis. Toda a humanidade que existe na história (sem pieguismo), a trilha… Um excelente filme!

  7. O Richard Jenkins sozinho vale o filme todo. Muito bom!

  8. Depois de um longo silêncio… pau no notebook, troca de emprego, estou de volta… Gostei muito do O Visitante, uma das surpresas que assisti no ano. É um filme que tem alma e principalmente Richard Jenkins soberano!

    Abraços

  9. Uma surpresa este filme, Richard Jenkins muito bem e uma bela trilha sonora.

    Beijos! 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: