» Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2

(Nota: 10,0)
Título Original: Harry Potter and the Deathly Hallows: Part 2
Gênero: Aventura
Diretor(es): David Yates
Roteiristas: Steve Kloves, J.K. Rowling
Ano de Lançamento: 2011.
Elenco: Ralph Fiennes, Michael Gambon, Alan Rickman, Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Evanna Lynch, Domhnall Gleeson.
Duração: 130 minutos.

Lembro-me perfeitamente bem na primeira vez que tive contato com Harry Potter. Foi na escola, quando fazia a quinta série, em 1999. Um amigo estava lendo o primeiro livro e mesmo escutando só elogios não me interessei e acabei negando ‘viver’ a realidade do mundo do menino-bruxo até 2004, quando numa viagem de férias peguei o livro do meu primo emprestado e não precisou de mais nada. Devorei os quatro primeiros livros que já tinham sido lançados e, como qualquer outro fã da época, fiquei deveras ansioso por cada novo volume que estava pra ser lançado. Com os filmes não foi diferente, até que na semana passada chegou ao fim uma das sagas mais bem sucedidas da história do cinema.

A responsabilidade de David Yates foi grande. Afinal, assumir filmes que tem uma linha de fãs tão fervorosos não é nem um pouco fácil, contudo a cada filme que foi nos apresentando desde A Ordem da Fênix, podemos enxergar que a série tomava caráter mais maduro e, por isso, Yates tinha que optar em empregar um ar mais denso e com maior responsabilidade. Este último é talvez o mais esperado de todos, onde tudo se resolve, onde a profecia, por fim, se realiza. E é bem possível afirmar que ele agrada por conseguir ir além do que queríamos ver, por demonstrar que não só a batalha em si é importante, mas todo seu contexto, todo o desenrolar que a história deve ter pra chegar ao clímax.

O diretor David Yates, que agora goza de importante notoriedade no meio cinematográfico, procurou tratar com bastante propriedade cada momento da película, já que são extremamente determinantes para o desenlace da trama que tem suas complicações. A história conta com encerramentos cogentes para se compreender tudo que se foi contado ao longo de sete livros e por isso se mostra tão basilar. Enxergamos que não houve receio algum, destarte, de construir-se um filme no qual algumas partes necessariamente tiveram que ser sacrificadas em prol de outros momentos que obtiveram mais veracidade em sua totalidade, admitindo a nós compreender cada passo até ali construído.

Sem quaisquer sombras de dúvidas, este longa obteve o êxito máximo de toda a saga e é, conseqüentemente, o melhor de todos. Indo da direção responsável, passando por uma fotografia de extremo bom gosto que preza por cada movimento que é capaz de denunciar o que vem a seguir, sendo, assim, um deleite as nossas vistas, até uma trilha sonora que consegue ser muito marcante sem se tornar tediosa, Alexandre Desplat consegue reeguer-se neste filme compondo algo mais comovente e forte ao mesmo tempo, fato que não foi tão impetuoso na fita anterior. As atuações, que nunca foram ponto marcante na saga, conseguem transpor barreiras nesse longa, com especial destaque para Alan Rickman que, como professor Snape, empregou um dos melhores momentos desta fita. Precisei ver duas vezes no cinema para poder tentar rabiscar essas linhas que aqui se encontram e ainda assim não acredito que seja o suficiente, assim sendo verei novamente… e novamente… e novamente…

6 Respostas

  1. Que filme perfeito! A série se eencerrou de forma impecável… Não existe nada sobrando nem faltando nesse filme. HP 7.2 merece todos os prêmios possíveis e nisso incluo também a intepretação de Alan Rickman. Ele me destuiu com seu Severo Snape…

  2. O filme me surpreendeu positivamente. Foi preciso sete filmes para eu, finalmente, entender essa série e a essência dela, aquilo que ela tratava em primeiro plano. A execução do David Yates, como diretor, foi simplesmente perfeita, com destaque para o elenco (até os atores jovens, que sempre eram fracos, na minha opinião), para os efeitos visuais (se algum outro filme que não esse ganhar o Oscar 2012 dessa categoria será um roubo) e para a trilha do Alexandre Desplat.

  3. Épico. Não tem outra palavra para definir o filme e a saga em si. Está certo que ainda fiquei “meio assim” com algumas questões, já que não sou fã, não li os livros e nem vi todooos os filmes. Mas, é sim, um grande filme😀

    p.s.: só achei aquela última cena desnecessária… enfim, vai entender.

  4. Embora não tenha achado tão perfeito tampouco tão épico, é um final bastante digno à série. E comovente e engraçado em boas medidas. Os dois planos fechados nos três amigos, e a nostalgia dos temas de Williams, não podiam ser mais acertados. Rickman e Smith estão sensacionais, dentre os coadjuvantes.

  5. Alan Rickman estava realmente muito bem! O filme é ótimo e a série merece um Oscar, para coroar o trabalho grandioso que foi. Mas acho que não chega a ser esse 10. Não li os livros, o que aparentemente contribui para tirar um pouco do deslumbramento que um fã terá. Não achei esse final tão épico assim, esperava uma batalha gigantesca e vi apenas um desfecho corrido. Mas ainda assim é um grande filme!

  6. Bacana o seu blog.
    Cumprimentos cinéfilos!

    O Falcão Maltês

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: