» O Rei Leão 3D

Ainda que eu tenha idade pra poder ter visto O Rei Leão no cinema, não sei exatamente o porquê mas não pude conferir na grande tela e isso sempre foi algo que me frustrou extremamente, isso porque sou um grande fã do filme que marcou minha infância pelas incansáveis vezes que botei a fita VHS (sim, FITA) pra passar esta animação. Assim, quando soube da possibilidade de rever este clássico, sendo que agora no cinema, foi algo que realmente me animou. Ainda que não seja grande fã do cinema 3D, acho que essa conversão não fez tanto mal assim a animação mesmo que ela seja melhor em 2D. Portanto, vou REPOSTAR um texto que fiz um tempo atrás analisando ponto-a-ponto esta animação. Se você ainda não assistiu ao filme, não leia pois contém spoilers:

__________________________________________________________

Há algumas semanas eu coloquei aqui, através da sessão “Belas Cenas”, uma tomada que muito me comoveu quando criança e que ainda hoje mexe comigo de maneira infantil e ao mesmo tempo ‘agradável’. De qualquer maneira não foi Cinderela, nem Branca de Neve ou mesmo A Bela e a Fera que marcaram minha infância. Não. A animação da indústria Disney que mais me cativou foi sem dúvida a história de Simba, filhote de leão que se mostrava tão inocente quanto qualquer criança e que mais cedo do que imaginava precisou tornar-se adulto e achou por bem fugir de suas responsabilidades ou de suas culpas. O filme aborda pontos interessantes que, sendo visto com um pouco mais de cautela, torna-se base para uma excelente contenda filosófica e sociológica das coisas, o que o torna mais atraente tendo em vista o seu público-alvo e a forma como que será absorvido pelas crianças. Acho que não é necessário contar a história do filme, não é?

Esse clássico originalmente feito pela Disney, não se baseia em fábulas ou clássicos da literatura e trata de pontos de fundamental importância, como falei. Nos diálogos dos personagens, por serem animais, é possível enxergar a real importância do ciclo da vida, da cadeia alimentar e da ‘suposta’ hierarquia dentro da vida selvagem. Concernente ao meio produtivo, da cinematografia, temos aquela coisa clássica que remonta às cores do filme e que é bem típico dos filmes das Disney. O mundo bom e feliz está sempre muito colorido e vivo, ao contrário do mundo underground que se mostra cinza e morto, fato que no já comentado longa A Noiva Cadáver, é o contrário que faz a cena, mostrando que o colorido nem sempre é a vida. Outro método interessante é colocar algumas características do dublador original no personagem da animação, fato que começou a se popularizar e hoje é bem comum, como no caso de Whoopi Goldberg que tem na hiena a sua caracterização facial.

A comparação é outro ponto legal a ser suscitado quando se fala de Rei Leão. Temos o velho maniqueísmo que é representado por Simba/Mufasa (o bem) e Iscar/Hienas (o mal). E pelo que pude notar, fazendo uma alusão do símbolo de Iscar ao de Hitler é que se faz uma cena musical em que aquele discursa e as hienas marcham de maneira correta, feito um exército, como a cena clássica e histórica do Füher. Por outro lado, após todo o acontecido e com o advento da morte de Mufasa, Simba sente-se culpado e por isso foge. Assim encontramos dois personagens que serão fundamentais para que o clima dramático seja quebrado de forma fascinante na história. Timão e Pumba vêm para dissolver o estereótipo de que tudo está acabado e que não vale à pena chorar . Eles têm toda a solução para os problemas: Hakuna Matata. Um lema que é adotado pelos dois e pelo pobre e frágil Simba. Tudo é bem trabalhado e todos os pontos do filme têm um condimento que faz cada cena ser emocionante e instigante como é a do encontro entre Simba e Nala, além da marcante canção de amor dos dois.

Daí em diante surge a luta interior do protagonista sobre o seu regresso ao reino, sobre o fato de achar que não é digno disso e que assim deveria continuar. Grandes diálogos surgem desse conflito. O babuíno, tido como sacerdote do reino, confronta-o através das altercações que pergunta “quem é você?” e Simba diz que sabe quem é, mas o macaco afirma que Simba não se conhece e posteriormente mostra que Mufasa vive dentro dele, fato que o faz enxergar o pai dizer: “lembre-se de quem você é!” e o filho diz: “eu não sou mais quem eu fui”. Sendo usado num mesmo diálogo três tempos que mostram a confusão que pode existir em alguém e dando a lição de que há duas opções: tentar fugir para sempre do passado ou aprender com ele para lutar. Já de volta ao defasado reino é envolvente a espécie de tribunal travado entre Iscar e Simba, sendo outro ponto alto no qual aquele acusa este da morte do pai, um de modo extremamente ousado e o outro coberto pela fraqueza emocional.

Diante de tanta luta e de tanta briga ainda é possível rir e se divertir com, os sempre cômicos, Timão e Pumba que roubam a cena de maneira extremamente cômica e descontraída nas suas lutas contra as hienas. Em suma, o meu maior propósito em escrever esse texto foi dar uma visão do que acredito ter enxergado deste filme que, a primeira vista parece frágil e fútil, mas que mostra ser de grande valia e com uma moral pouco explorada e fortemente necessária para qualquer ser humano. Pode-se dizer que O Rei Leão é daquele filmes que vemos diversas vezes e jamais cansaremos de ver, gratificante é a palavra e a forma que me sinto ao revê-lo, sempre!

» Um Curta

Enquanto viajo (que já está chegando ao fim =[ ) deixo para vocês um curta super interessante que Vicente Cândido me enviou, feito por ele mesmo. A guerrinha chata que temos com os mosquitos… e sempre tentamos dar um fim… vejam:

Update: Não sei porque o vídeo não está funcionando por aqui. Mas se clicar nele, funcionará no site do youtube.

:: Belas Cenas – Musical [3]

Ultimamente muito venho conversando o brother Vicente Neto no MSN. Indiquei a ele que assistisse Across The Universe, por ele muito gostar muito dos Beatles. Ele viu e gostou muito de diversas características do longa. Perguntei qual foi a cena que ele mais gostou do filme e afirmou que foi a cena de abertura na qual Jim Sturgess canta Girl e chama o espectador para conhecer sua história. De fato é extremamamente encantadora a abertura, assim como várias outras partes do filme. Segue abaixo a cena.

:: The Cranberries em Recife-PE

Hoje estou partindo para um show que há muito eu espero. Minha irmã mais velha sempre gostou de escutar The Cranberries e eu, por conseguinte, passei a curtir muitíssimo a banda. Sempre tive o sonho de ir pra um show deles mas achei que jamais iria acontecer. Tipo, vir fazer um show no nordeste? Pouquíssimo provável. No entanto, eles surpreenderam fazendo uma turnê pelo Brasil e Recife é uma das cidades que sediará seus shows. Não pensei duas vezes e comprei o ingresso. A ansiedade toma conta de mim e tenho certeza que vai tornar essas duas últimas semanas perfeitas. A primeira pelo excelente show de Los Hermanos e a segundo pelo show de The Cranberries que não tenho dúvida que será ótimo. Abaixo deixo três músicas que gosto MUITO da banda. Zombie, Linger e Ode To My Family.

Agora, estou saindo pra Recife para conferir essas músicas e muitas outras AO VIVO. =)

» Belas Cenas – Musical [2]

Acho que qualquer bom fã de filmes ficaria empolgado com essas cenas do vídeo abaixo. Não é preciso, necessariamente, gostar de musicais para apreciar a qualidade desse material que postaram no site You Tube. Nesse vídeo, pegam a música de um desses musicais e colocam para todos os demais e todas as suas cenas de danças estão envolvidas, formando 40 filmes no total. Uma ideia brilhante com uma montagem fundamental. Vejam!

P.s.: Dica de @Jeff_Rib.

» Belas Cenas – Comédia Romântica (2)

Bom, como ando bem sumido por falta completa de tempo. Resolvi aparecer aqui pra dá uma atualizada. Creio que semana que vem eu volte a postar regularmente ainda que tenha um artigo científico pra fazer em menos de dez dias. Enfim. A cena que considero bela e muito legal fica por conta de um filme novo. 500 Dias Com Ela que conta uma interessante história entre um casal diferente e que não necessariamente se trata de uma história de amor. A cena em questão é protagonizada por Tom Hansen que está simplesmente feliz depois de um acontecimento em sua vida. Ela é um toque um tanto musical num filme que não é do gênero e dá uma renovada maior ainda no clima do filme.

A cena pode ser vista por quem ainda não viu o filme.

» Belas Cenas – Desenho (2)

Acho que todos estão cansados de ler eu dizendo que sou realmente muito apaixonado pelo desenho d’O Rei Leão. Acho super bem feito, dirigido, com um roteiro que não deixa a desejar e que é alvo de grandes questionamentos. Cada cena do filme é marcante e assim como a passada que aqui postei essa também marca por ser o início de tudo. A música de entrada é esplendorosa e tem muita propriedade. O momento de curvatura diante do rei é outro especial e envolvente. Quem quiser sentir esse gostinho de infância outra vez, confira logo abaixo:

O Rei Leão – Ciclo sem fim