» Ilha do Medo

(Nota: 9,0)
Título Original: Shutter Island
Gênero: Drama
Diretor(es): Martin Scorsese
Roteiristas: Laeta Kalogridis, Dennis Lehane.
Ano de Lançamento: 2010.
Elenco: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Ben Kingsley, Max von Sydow, Michelle Williams, Emily Mortimer, Patricia Clarkson, Jackie Earle Haley, Ted Levine, John Carroll Lynch, Elias Koteas.
Duração: 138 minutos.

É gratificante saber que existem grandes diretores, capazes de transformar simples idéias em um longa maravilhoso, digno de impressão e também capaz de nos deixar comentando a respeitando por dias a fio. Não importa de onde vem a fonte, basta que saia de um roteirista talentoso ou de um livro badalado, o simples fato de pegar ‘aquilo’ e conseguir construir visualmente tudo, já se é merecedor de uma salva de palmas. Porém, da mesma forma que tem talentosos diretores que conseguem consagrar-se por tais feitos, tem também os fracos que nadam, nadam e morrem na praia. Ainda bem que esse não é o caso de Martin Scorcese.

Teddy Daniels (Leonardo DiCaprioA Origem) é um jovem policial que está investigando o suposto desaparecimento de uma paciente do Shutter Island Ashecliffe Hospital, em Boston. Uma ilha onde ficam os prisioneiros com problemas mentais, onde também é praticamente impossível fugir. Lá, ele também descobre que o método utilizado pelos médicos nem sempre são legais e éticos e visam tratamento experimental nos pacientes. Juntamente com o também policial Chuck Aule (Mark Ruffalo – Ensaio Sobre a Cegueira), ele sofre resistência da equipe médica para sua inquirição e a situação fica mais caótica quando um furacão passa pela ilha, soltando vários prisioneiros.

Eu gosto de filmes inteligentes. Acho atraentes aquelas fitas que nos fazem pensar, pensar e pensar e ainda assim nem sempre conseguirmos chegar a uma resposta concreta. E o que é interessante é que gosto disso porque a carência de resposta concreta nos faz ver que várias possibilidades são aceitas e que uma situação desbanca a teoria do outro e assim sucessivamente. É basicamente isso que acontece com este longa. Quando acabou o filme, observei que mil e uma teorias foram boladas pelas pessoas que saiam atônitas do filme longo e enérgico.

O que faz um filme ser bom é precisamente isso, a conversa pós-filme, aquilo que permite tentar entender mais o que se passou na grande tela. E Ilha do Medo consegue atingir esse objetivo à custa de uma direção impecável do mestre Scorcese assim como uma boa sintonia nas atuações entre DiCaprio e Ruffalo. O bom rendimento ainda fica por conta da fotografia que tem um caráter bem Scorcese de filmagem e também pela montagem que é um fator extremamente essencial na captura da história que é bem original e intrigante. Absolutamente, este filme não é pra ser visto só uma vez, não mesmo.